O discípulo de Cristo e a dignidade cristã 1/2

Publicado em 09/12/2014 - 18:00

 

TEXTO: EFÉSIOS 4.1-6
 
 
INTRODUÇÃO: Esta epístola deve nos chamar a atenção por muitos fatores, entre eles está o fato de Paulo tê-la escrita em uma circunstância aparentemente desfavorável, pois possivelmente ele estava preso em Roma depois de ter enfrentado todas aquelas lutas relatadas no livro de Atos e que culmina com a sua prisão em Roma após aquela difícil viagem marítima pelo Mediterrâneo. Porém, Paulo aproveita da ocasião desfavorável para torná-la favorável, ele estava preso, mas a Palavra de Cristo não, e ele poderia usar dos recursos que lhes eram disponíveis para fazer valer a razão do seu chamado expressado por ele em Atos  20.24 quando disse: “Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegrai a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus”. Aproveitando bem da ocasião, ou seja, Paulo remiu bem o seu tempo de prisão que geraria ociosidade; era um tempo que seria desperdiçado, mas Paulo fez dessa ociosidade uma ociosidade produtiva, escrevendo cartas às igrejas doutrinando-as com mandamentos e conselhos. E aqui estão alguns que podemos aplicá-los para as nossas vidas atualmente. 
 
1 – HONRAR O CHAMADO DE DEUS EM NOSSAS VIDAS (1) 
Paulo fora chamado diretamente pelo Senhor Jesus Cristo, ele relata isso em Gálatas 1.1, conforme já estudamos aqui em outro tempo, mas preso ficava impossibilitado de cumprir o chamado nas ruas, nos campos, no valados etc., porém ele teria que cumprir com alegria a carreira do seu ministério.Como ele estava impedido de fazer, deveria passar o cajado aos que estavam em liberdade, pois por muito tempo ele o havia conduzido.Agora, no entanto, ele estava entregando a outros, pois ele estava limitado a uma prisão. Como expressou certo estudioso Bíblico “Cabe a outros, seus leitores, mostrarem ao mundo exterior como a verdade cristã pode ser praticada na vida cotidiana1”, (hoje nós somos os seus leitores),assim ele começa o capítulo dizendo: “Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor,” aqui está à causa da sua prisão:Oamor e a dedicação a Jesus Cristo. Paulo mesmo preso estava honrando a sua vocação. Dessa maneira, é que ele pede aos que estão fora para também serem dignos com a vocação a qual foram chamados. “Andem dignamente”, ou seja, façam merecer em suas vidas a confiança que Jesus Cristo lhes deu, sejam exemplos para todos, honrem o chamado de Deus em suas vidas. Mas de que maneira pastor? O próprio Paulo inspirado pelo Espírito Santo responde a essa pergunta:  
 
2 – ANDANDO COM TODA A HUMILDADE E MANSIDÃO (2) 
pouco tempo atrás pregando aqui deste púlpito disse que como servos de Cristo devemos nos humilhar sempre diante de Deus, e como exemplo citei o próprio Jesus que venceu a vida terrena se humilhando diante de Deus se colocando de joelhos, e esse foi o conselho deixado para nós, que andemos de joelhos diante do Pai para que tenhamos sucesso na vida diária cristã. O apóstolo Paulo aqui nos convida que em todo o tempo devemos ser humildes, isto quer dizer, desde o nosso levantar ao nosso deitar. E humildade é algo que é desenvolvido com o tempo através da prática, e são muitas as ocasiões durante o dia que vem ao nosso encontro, as quais são desfavoráveis para agirmos contrário a humildade.No entanto, são oportunidades ímpares nos outorgadas para praticá-la. A origem dessa palavra no grego é tapeinos”= modesto, humilde, cujo sentido original (Píndaro séc. V a.C) “estar em baixo”e tapeinoo é o seu derivado que significa abaixar, humilhar. Logo, entendo que no decorrer da nossa vida cristã devemos nos lembrar sempre que devemos estar em posições abaixo dos nossos irmãos, não para sermos pisados por eles, como eles sendo os senhores e o outro escravo humilhado. Deus não aprova essa atitude, mas aprova a atitude de humilhar-se diante Dele em estado de obediência e se eu o Obedeço vou entender que humildade e humilhação são situações distintas. Por isso, que devemos entender o sentido que Paulo está dizendo aqui o qual é para estarmos sempre dispostos a servir e amar uns aos outros, nunca permitindo que o nosso EU prevaleça, embora ele queira sempre estar por cima. É a disputa do ego freudiano. Pois quando o EU prevalece, o orgulho tomou conta do nosso coração e são portas abertas para o inimigo entrar e bagunçar a nossa vida. É como digo: “O mundo é a escola dos orgulhosos”(J.Guimarães).Destarte, devemos também nos lembrar que somos pó, não somos nada, o que agora é daqui a pouco não é para guardarmos ressentimentos ruins dos outros.Mas existe outra palavra grega que também significa humilde “PRAYS”, que traduzida para o português quer dizer “gentil, humilde, atencioso, meigo, bondoso, tolerante, brando, (trabalharemos melhor esse item na próxima semana) que a partir de Homero tem o significado de amar. Paulo aqui nesse texto emprega essa palavra nos advertindo contra a soberba, recomendando a prontidão de servir com humildade e com suavidade que une a igreja e a conserva assim2”, isto é, a humildade e a mansidão é um casamento perfeito para unir a igreja, os irmãos, a família etc. (Há desentendimentos familiares e entre irmãos justamente por falta dessas duas virtudes). Contudo,humanamente falando nós não somos capazes de andar o tempo todo assim, porque no decorrer do dia cometemos muitos deslizes. Entretanto, o Espírito que habita em nós nos capacita para isso, para tanto é preciso que eu me aproxime Dele continuamente, como disse Paulo orando e vigiando em todo o tempo (I Ts 5.6,17). Pois sem a presença do Espírito Santo, o poder que em nós opera, fracassaremos sempre.Essa virtude simples de humildade, o homem natural não pode mantê-la, porém lembremos que a humildade e a mansidão são virtudes essenciais à vida cristã3. Se não a desenvolvermos em nossas vidas seremos eternamente cristãos fracassados. Daí entra a questão da humildade, reconhecer cada erro cometido durante o dia e não lançar a culpa sobre o outro. Um dos pais da Igreja cristã primitiva Inácio de Antioquia escrevendo aos Romanos, quando também estava preso, acorrentado por causa do amor a Cristo, disse: “O que quero é justamente a prática do que ensinastes. Pedi para mim apenas a força exterior, para que não só eu seja chamado cristão, mas de fato o seja. Pois se me mostrar realmente cristão, merecerei também ser chamado, e quando tiver desaparecido do mundo, então serei de fato fiel a Cristo. Nenhuma ostentação é boa. Jesus Cristo mesmo, nosso Deus, mais se manifesta quando agora está oculto no Pai. Quando o cristianismo é odiado pelo mundo, o que importa realizar não é mostrar a eloquência da palavra, mas a grandeza da alma” (In 24p.19). 
 
CONCLUSÃO: A grandeza da alma, a dignidade do discípulo de Cristo está em amar a Cristo e morrer por Cristo, nos doando para Cristo e que se doa para Cristo também se doa uns aos outros. Portanto, passemos por cima dos nossos orgulhos que de nada valem e olhemos para o outro com o olhar de Cristo, o olhar de misericórdia, em qualquer circunstância. Assim viveremos melhores e mais felizes em nossos lares, em nossos ambientes de trabalhos, em nossos ambientes de estudo, em nossa igreja.Ao sair pela aquela porta você será tentado a agir com orgulho e soberba, mas lembre-se: A ordem de Deus é: Seja digno da vocação pela qual foste chamado andando com humildade e mansidão. Pois, quando Paulo e Inácio estavam presos a Palavra de Cristo estava solta. Concluo, por conseguinte, deixando para nós nesta noite a Palavra de Deus escrita por Paulo a Timóteo “Lembra-te de que Jesus Cristo, que é da descendência de Davi, ressurgiu dentre os mortos, segundo o meu evangelho, pelo qual sofro a ponto de ser preso como malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa. Por este motivo, tudo suporto por amor dos eleitos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna” (II Tm2.8-10). 
Que Cristo me conceda esta graça e a você também.  
Na próxima semana continuaremos falando dos conselhos seguintes. 
 
Obrigado Pai, que Tu me uses com o poder do Teu Santo Espírito para levar esta palavra ao coração do teu povo. Fala a nós todas as vezes que Tu me usares para pregar esta mensagem. 
 
20.11.14